A Causa Raiz

23 set

[Pronunciada no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Cambridge, 26 de Setembro, 1975.]

E as coisas a melhor saber são antes de tudo princípios e causas. Por através delas e a partir delas todas as outras coisas podem ser sabidas…
–Aristóteles, Metafísica, Livro I

Eu quero falar-lhes hoje à noite sobre algumas realidades e algumas possibilidades. As realidades são brutais e selvagens; as possibilidades podem parecer-lhes, muito francamente, impossíveis. Eu quero lembrar-lhes que havia uma época em que todo o mundo acreditava que a terra era plana. Toda a navegação era baseada nesta crença. Todos os mapas eram delineados às especificações desta crença. Eu chamo-a de uma crença, mas naquele tempo ela era uma realidade, a única realidade imaginável. Era uma realidade porque todo o mundo acreditava que era verdade. Todo o mundo acreditava que era verdade porque parecia ser verdade. A terra parecia plana; não havia nenhuma circunstância em que ela não tinha extremidades distantes nas quais alguém poderia cair; as pessoas admitiam que, em algum lugar, havia a extremidade final além da qual não havia nada. A imaginação era limitada, como ela é na maioria das vezes, por sentidos físicos inerentemente limitados e culturalmente condicionados, e esses sentidos determinaram que a terra fosse plana. Este princípio da realidade não era somente teórico; ele tinha efeitos. Os navios nunca navegavam muito longe em qualquer direção porque ninguém queria navegar fora da extremidade da terra; ninguém queria morrer a terrível morte que resultaria de um ato tão descuidado, estúpido. Nas sociedades em que a navegação era uma atividade principal, o medo de tal destino era vívido e apavorante.

Agora, conforme consta, de algum modo um homem chamado Cristóvão Colombo imaginou que a terra era redonda. Ele imaginou que alguém poderia chegar ao Extremo Oriente navegando para o ocidente. Como ele concebeu esta idéia, nós não sabemos; mas ele a imaginou, e uma vez que a tinha imaginado, ele não poderia esquecê-la. Por muito tempo, até que ele encontrou a Rainha Isabella, ninguém o escutaria ou consideraria sua idéia porque, claramente, ele era um lunático. Se algo era certo, era que a terra era plana. Agora nós olhamos retratos da terra tirados do espaço, e nós não lembramos que uma vez havia uma crença universal que a terra era plana.

Esta história foi repetida muitas vezes. Marie Curie teve a idéia peculiar que havia um elemento não descoberto que fosse ativo, sempre variável, vivo. Todo o pensamento científico era baseado na noção que todos os elementos eram inativos, inertes, estáveis. Ridicularizada, negada um laboratório apropriado pelo estabelecimento científico, condenada à pobreza e à obscuridade, Marie Curie, com seu marido, Pierre, trabalhou implacavelmente para isolar o rádio que era, em primeira instância, uma invenção de sua imaginação. A descoberta do radio destruiu inteiramente a premissa básica em que a física e a química foram construídas. O que tinha sido real até sua descoberta já não era mais real.

Os conhecidos princípios provados-e-verdadeiros da realidade, então, acreditados universalmente e aderidos com ímpeto, são frequentemente formados a partir de profunda ignorância. Nós não sabemos o que ou quanto nós não sabemos. Ignorando nossa ignorância, mesmo que ela tenha sido revelada para nós repetidas vezes, nós acreditamos que a realidade é tudo o que nós sabemos.

Tamara de Lempicka-Adam and Eve, 1932Um princípio básico da realidade, acreditado universalmente e aderido com ímpeto, é que há dois sexos, homem e mulher, e que estes sexos não são somente distintos um do outro, mas são opostos. O modelo usado frequentemente para descrever a natureza destes dois sexos é aquele de pólos magnéticos. O sexo masculino é vinculado ao pólo positivo, e o sexo feminino é vinculado ao pólo negativo. Postos em proximidade um com o outro, os campos magnéticos destes dois sexos são admitidos a interagir, trancando os dois pólos juntos em um todo perfeito. Desnecessário dizer, dois pólos semelhantes postos em proximidade são admitidos a repelirem-se.

O sexo masculino, de acordo com sua designação positiva, tem qualidades positivas; e o sexo feminino, de acordo com sua designação negativa, não possui qualquer das qualidades atribuídas ao sexo masculino. Por exemplo, de acordo com este modelo, os homens são ativos, fortes e corajosos; e as mulheres são passivas, fracas, e medrosas. Ou seja, o que os homens são, as mulheres não são; o que os homens podem fazer as mulheres não podem; todas as capacidades que os homens têm as mulheres não têm. O homem é o positivo e a mulher é seu negativo.

SexismoApologistas deste modelo reivindicam que ele é moral porque é inerentemente igualitário. Cada pólo é admitido ter a dignidade de sua própria identidade separada; cada pólo é necessário para um todo harmonioso. Esta noção, naturalmente, é enraizada na convicção que as reivindicações feitas a respeito das características de cada sexo são verdadeiras, que a essência de cada sexo está corretamente descrita. Em outras palavras, dizer que o homem é o positivo e a mulher é o negativo é como dizer que a areia é seca e a água é molhada – a característica que mais descreve a própria coisa é nomeada de uma maneira verdadeira e nenhum julgamento no valor destas características de diferenciação é subentendido. Simone de Beauvoir expõe a falácia desta doutrina de “separado, mas igual” no prefácio de O SEGUNDO SEXO:

Na realidade a relação dos dois sexos não é . . . como aquela de dois pólos elétricos, porque o homem representa o positivo e o neutro, como é indicado pelo uso comum de homem para designar seres humanos em geral; enquanto que a mulher representa somente o negativo, definida por critérios restritivos, sem reciprocidade…. “A fêmea é uma fêmea em virtude de certa falta de qualidades,” disse Aristóteles; “nós devemos considerar a natureza feminina como afligida por uma falha natural.” E São Tomás pelo que lhe diz respeito pronunciou que a mulher é “um homem imperfeito,” um ser todo “incidental” . . .

Assim, a humanidade é masculina e o homem define a mulher não em si mesma, mas relativa a ele; ela não é considerada um ser autônomo.

Esta visão doente da mulher como o negativo do homem, “fêmea em virtude de certa falta de qualidades,” contamina toda a cultura. É o câncer no intestino de cada sistema político e econômico, de cada instituição social. É a podridão que estraga todos os relacionamentos humanos, infesta toda a realidade psicológica humana, e destrói a verdadeira fibra da identidade humana.

Esta visão patológica da negatividade feminina tem sido forçada em nossa carne por milhares de anos. A mutilação selvagem do corpo feminino, empreendida para distinguir-nos absolutamente dos homens, tem ocorrido em uma escala maciça. Por exemplo, na China, por mil anos, os pés das mulheres foram reduzidos a tocos através do enfaixamento de pés. Quando uma garota tinha sete ou oito anos, seus pés eram lavados em alume, uma substância química que causa encolhimento. Então, todos os dedos dos pés exceto os dedões eram dobrados nas solas de seus pés e enfaixados tão firmemente quanto possível. Este procedimento era repetido várias vezes por aproximadamente três anos. A menina, em agonia, era forçada a andar com os próprios pés. Calos duros se formavam; as unhas dos dedos dos pés cresciam dentro da pele; os pés se enchiam de pus e sangravam; a circulação era parada realmente; frequentemente os dedões caiam. O pé ideal era três polegadas de carne fedorenta, apodrecida. Os homens eram positivos e as mulheres eram negativas porque os homens podiam andar e as mulheres não podiam. Os homens eram fortes e as mulheres eram fracas porque os homens podiam andar e as mulheres não podiam. Os homens eram independentes e as mulheres eram dependentes porque os homens podiam andar e as mulheres não podiam. Os homens eram viris porque as mulheres foram aleijadas.foot binding

Esta atrocidade cometida contra as mulheres Chinesas é somente um exemplo do sadismo sistemático expresso nos corpos das mulheres para tornar-nos opostas aos, e os negativos dos, homens. Nós fomos, e somos, chicoteadas, açoitadas, e agredidas; nós fomos, e somos, encaixadas em roupas projetadas para distorcer nossos corpos, para tornar os movimentos e a respiração dolorosos e difíceis; nós fomos, e somos, transformadas em ornamentos, tão privadas de presença física que nós não podemos correr ou saltar ou escalar ou mesmo andar com uma postura natural; nós fomos, e somos, veladas, nossos rostos cobertos por camadas de panos sufocantes ou por camadas de maquiagem, de modo que até a posse de nossos próprios rostos nos é negada; nós fomos, e somos, forçadas a remover os pêlos de nossas axilas, pernas, sobrancelhas, e frequentemente mesmo das nossas regiões pubianas, de modo que os homens possam afirmar, sem contradição, a positividade de sua própria virilidade peluda. Nós fomos, e somos, esterilizadas contra nossa vontade; nossos ventres são removidos por nenhuma razão médica; nossos clitóris são cortados; nossos peitos e toda a musculatura de nossos tórax são removidos com abandono entusiástico. Este último procedimento, mastectomia radical, tem oitenta anos de idade. Eu peço que você considere o desenvolvimento de armamentos nos últimos oitenta anos, bombas nucleares, gases venenosos, raios laser, bombas de ruídos, e semelhantes, e questione o desenvolvimento da tecnologia em relação às mulheres. Por que as mulheres ainda são mutiladas tão promiscuamente na cirurgia de mama; porque esta selvagem forma de mutilação, mastectomia radical, tem prosperado se não para intensificar a negatividade das mulheres em relação aos homens? Estas formas de mutilação física são as marcas que nos designam como fêmeas negando nossos verdadeiros corpos, destruindo-os.social foot binding

No mundo grotesco feito por homens, o emblema físico primário da negatividade feminina é gravidez. As mulheres têm a capacidade de parir; os homens não têm. Mas desde que os homens são positivos e as mulheres são negativas, a incapacidade de parir é designada como uma característica positiva, e a capacidade de parir é designada como uma característica negativa. Já que as mulheres são mais facilmente distinguidas dos homens em virtude desta capacidade única, e já que a negatividade das mulheres é sempre estabelecida em oposição à positividade dos homens, a capacidade reprodutiva da fêmea é primeiro usada para fixar, em seguida para confirmar, seu status negativo ou inferior. A gravidez se torna uma marca física, um sinal que designa a grávida como autenticamente fêmea. A gravidez, peculiarmente, torna-se a forma e a substância da negatividade do sexo feminino.

Novamente, considere a tecnologia em relação às mulheres. Enquanto os homens andam na lua e um satélite artificial aproxima-se de Marte para uma aterrissagem, a tecnologia de contracepção permanece criminosamente inadequada. Os dois meios mais eficazes de contracepção são a pílula e o D.I.U. A pílula é venenosa e o D.I.U. é sádico. Se uma mulher quiser impedir a concepção, ela deve ou consequentemente falhar porque usa um método ineficiente de contracepção, neste caso ela se arrisca a morte com a gravidez; ou ela deve se arriscar a uma doença terrível com a pílula, ou sofrer a agonia da dor com o D.I.U. – e, naturalmente, com qualquer um destes métodos, o risco de morte é muito real também. Agora que as técnicas de aborto foram desenvolvidas que são seguras e fáceis, as mulheres são negadas resolutamente o acesso livre a elas. Os homens exigem que as mulheres continuem a ficar grávidas para personificarem a negatividade feminina, confirmando assim a positividade masculina.Sisif

Enquanto as agressões físicas contra a vida feminina são inacreditáveis, os ultrajes cometidos contra nossas faculdades intelectuais e criativas não têm sido menos sádicos. Consignadas a uma vida intelectual e criativa negativa, para afirmar estas capacidades nos homens, as mulheres são consideradas estúpidas; feminilidade é aproximadamente sinônimo de estupidez. Nós somos femininas à medida que nossas faculdades mentais são aniquiladas ou repudiadas. Para reforçar esta dimensão da negatividade feminina, nós somos negadas sistematicamente o acesso ao ensino convencional, e cada afirmação de inteligência natural é punida até que nós não ousemos confiar em nossas percepções, até que nós não ousemos honrar nossos impulsos criativos, até que nós não ousemos exercitar nossas faculdades críticas, até que nós não ousemos cultivar nossas imaginações, até que nós não ousemos respeitar nossa própria acuidade mental ou moral. Qualquer trabalho criativo ou intelectual pelo qual nós somos responsáveis é trivializado, ignorado, ou ridicularizado, de modo que mesmo aquelas poucas cujas mentes não poderiam ser degradadas são levadas ao suicídio ou à insanidade, ou de novo ao casamento e à gravidez. Há muito poucas exceções a esta regra inexorável.

A manifestação literária mais vívida desta patologia da negação feminina é encontrada na pornografia. A literatura é sempre a expressão mais eloquente de valores culturais; e a pornografia articula a destilação mais pura desses valores. Na pornografia literária, onde o sangue feminino pode fluir sem a limitação real da resistência biológica, o etos desta cultura assassina masculino-positiva é revelado em sua forma básica: o sadismo masculino se alimenta no masoquismo feminino; o domínio masculino é nutrido pela submissão feminina.

Na pornografia, o sadismo é o meio pelo qual homens estabelecem seu domínio. O sadismo é o exercício autêntico de poder que confirma a masculinidade; e a primeira característica da masculinidade é que sua existência é baseada na negação da fêmea – a masculinidade pode ser certificada somente pela abjeta degradação feminina, uma degradação nunca abjeta o bastante até que o corpo e a vontade da vítima tenham sido destruídos.Pornografia é violência contra as mulheres

Na pornografia literária, o coração das trevas pulsante no centro do sistema masculino-positivo é exposto em toda sua nudez horripilante. Esse coração das trevas é este – que o sadismo sexual efetiva a identidade masculina. As mulheres são torturadas, chicoteadas, e acorrentadas; as mulheres são amarradas e amordaçadas, marcadas e queimadas, cortadas com facas e fios; as mulheres são urinadas e defecadas; agulhas em brasa são cravadas nos peitos, ossos são quebrados, retos são rasgados, bocas são devastadas, bocetas são brutalmente caceteadas por pênis após pênis, vibrador após vibrador – e tudo isto para estabelecer no macho um sentido viável de seu próprio valor.

Tipicamente na pornografia, algumas destas crueldades horríveis ocorrem em um contexto público. Um homem não dominou completamente uma mulher – ele não é completamente um homem – até que a degradação dela seja publicamente testemunhada e apreciada. Ou seja, como um homem estabelece o domínio ele deve também estabelecer publicamente a posse. A posse é provada quando um homem pode humilhar uma mulher na frente de, e para o prazer de, seus companheiros, e ela ainda permanece leal a ele. A posse é estabelecida mais adiante quando um homem pode emprestar uma mulher como um objeto carnal, ou entregá-la como um presente para um outro homem ou para outros homens. Estas transações fazem a posse dele uma matéria de registro público e aumentam sua estima aos olhos de outros homens. Estas transações provam que ele reivindicou não somente a autoridade absoluta sobre o corpo dela, mas que ele dominou inteiramente a vontade dela. O que pode ter começado para a mulher como submissão a um homem particular por “amor” a ele – e o que estava, nesse sentido, congruente com sua própria integridade tal como ela poderia reconhecê-la – deve terminar na aniquilação dessa mesma reivindicação à individualidade. A individualidade da posse – “Eu sou a pessoa que possui” – é reivindicada pelo homem; mas nada deve ser deixado para a mulher ou na mulher no que ela poderia basear qualquer reivindicação à dignidade pessoal, mesmo a dignidade miserável de crer, “Eu sou a propriedade exclusiva do homem que me degrada.” Da mesma maneira, e pelas mesmas razões, ela é forçada a assistir ao homem que a possui exercendo o sadismo sexual dele contra outras mulheres. Isto a rouba desse grão interno de dignidade que vem da crença, “Eu sou a única,” ou “Eu sou percebida e minha identidade singular é verificada quando ele me degrada,” ou “Eu sou distinta de outras mulheres porque este homem me escolheu.”

A pornografia do sadismo masculino contém quase sempre uma visão idealizada, ou irreal, do companheirismo masculino. O conceito masculino utópico que é a premissa da pornografia é este – já que a masculinidade é estabelecida e confirmada contra os corpos brutalizados das mulheres, os homens não precisam agredir uns aos outros; em outras palavras, as mulheres absorvem a agressão masculina de modo que os homens fiquem a salvo disto. Cada homem, conhecendo seu próprio impulso profundamente enraizado a selvageria, pressupõe este mesmo impulso em outros homens e procura proteger-se dele. Os rituais de sadismo masculino contra os corpos das mulheres são os meios pelos quais a agressão masculina é socializada de modo que um homem possa associar-se com outros homens sem o perigo iminente de agressão masculina contra sua própria pessoa. O projeto erótico comum de destruir mulheres torna possível aos homens se unirem em uma irmandade; este projeto é a única base firme e confiável para cooperação entre machos e todo laço masculino é baseado nisto.Patriarcado

Esta visão idealizada do companheirismo masculino expõe o caráter essencialmente homossexual da sociedade masculina. Os homens usam os corpos das mulheres para formar alianças ou ligações uns com os outros. Os homens usam os corpos das mulheres para alcançar o poder reconhecível que certificará a identidade masculina aos olhos de outros homens. Os homens usam os corpos das mulheres para permiti-los se engajarem em transações sociais civis e pacíficas uns com os outros. Nós pensamos que nós vivemos em uma sociedade heterossexual porque a maioria dos homens está fixada nas mulheres como objetos sexuais; mas, de fato, nós vivemos em uma sociedade homossexual porque todas as transações críveis de poder, autoridade, e autenticidade ocorrem entre homens; todas as transações baseadas em equidade e individualidade ocorrem entre homens. Os homens são reais; portanto, todo relacionamento real acontece entre homens; toda comunicação real acontece entre homens; toda reciprocidade real acontece entre homens; toda mutualidade real acontece entre homens. A heterossexualidade, que pode ser definida como o domínio sexual dos homens sobre mulheres, é como o fruto do carvalho – dele cresce o poderoso carvalho da sociedade homossexual masculina, uma sociedade de homens, por homens, e para homens, uma sociedade na qual a positividade da comunidade masculina é realizada através da negação da fêmea, através da aniquilação da carne e da vontade das mulheres.

Na pornografia literária, que é uma destilação da vida como nós a conhecemos, as mulheres são buracos escancarados, fendas fogosas, tubos de foda, e semelhantes. O corpo feminino é considerado a constituir-se de três buracos vazios, todos os quais foram expressamente projetados a serem preenchidos com positividade masculina ereta.

A própria força-vital feminina é caracterizada como negativa: nós somos definidas como inerentemente masoquistas; isto é, nós somos impulsionadas para a dor e o abuso, para a autodestruição, para a aniquilação – e este impulso para nossa própria negação é precisamente o que nos identifica como mulheres. Em outras palavras, nós nascemos para que nós possamos ser destruídas. O masoquismo sexual efetiva a negatividade feminina, exatamente como o sadismo sexual efetiva a positividade masculina. A feminilidade erótica de uma mulher é medida pelo grau a que ela precisa ser ferida, precisa ser possuída, precisa ser abusada, precisa se submeter, precisa ser açoitada, precisa ser humilhada, precisa ser degradada. Qualquer mulher que resistir a expressar estas assim-chamadas necessidades, ou qualquer mulher que se rebela contra os valores inerentes nestas necessidades, ou qualquer mulher que se recusa a aprovar ou participar em sua própria destruição é caracterizada como uma desviante, uma que nega sua feminilidade, uma megera, uma cadela, etc. Tipicamente, tais desviantes são trazidas de volta para o rebanho feminino pelo estupro, estupro em grupo, ou alguma forma de sujeição. A teoria é que uma vez que tais mulheres tenham provado a doçura intoxicante da submissão elas irão, como lemingues, correr para sua própria destruição.

Cano de esgoto

O amor romântico, tanto na pornografia como na vida, é a celebração mítica da negação feminina. Para uma mulher, o amor é definido como sua boa vontade para submeter-se a sua própria aniquilação. Como diz o ditado, as mulheres são feitas para o amor – isto é, submissão. O amor, ou a submissão, deve ser a substância e o propósito da vida de uma mulher. Para a fêmea, a capacidade de amar é exatamente sinônima à capacidade de suportar o abuso e o apetite por ele. Para a mulher, a prova de amor é que ela está disposta a ser destruída por aquele que ela ama, por causa dele. Para a mulher, o amor é sempre auto-sacrifício, o sacrifício de sua identidade, vontade, e integridade corporal, a fim de satisfazer e redimir a masculinidade de seu amado.

Na pornografia, nós vemos o amor feminino cru, seu esqueleto erótico exposto; nós quase podemos tocar nos ossos de nosso cadáver. O amor é o impulso erótico masoquista; o amor é a paixão frenética que compele uma mulher a se submeter a uma vida degradante de escravidão; o amor é o devorador impulso sexual em direção à degradação e ao abuso. A mulher a si mesma literalmente ao homem; ele literalmente a toma e a possui.

A transação principal que expressa esta submissão feminina e esta possessão masculina, na pornografia assim como na vida, é o ato de foder. Foder é a expressão física básica da positividade masculina e da negatividade feminina. O relacionamento do sadista ao masoquista não se origina no ato de foder; mais propriamente, é expresso e renovado nele.

Para o macho, foder é um ato compulsivo, na pornografia e na vida real. Mas na vida, e não na pornografia, é um ato perigoso, cheio de temor. Aquele orgão santificado da positividade masculina, o falo, penetra no vácuo feminino. Durante a penetração, todo o ser do macho é o seu pênis – ele e sua vontade de dominação são inteiramente um; o pênis ereto é a sua identidade; toda sensação está localizada no pênis e de fato o resto de seu corpo é insensível, morto. Durante a penetração, o verdadeiro ser do macho é uma vez arriscado e afirmado. O vácuo da fêmea o engolirá, o consumirá, tragará e destruirá seu pênis, seu eu inteiro? O vácuo da fêmea poluirá sua positividade viril com sua negatividade nociva? O vácuo da fêmea contaminará sua tênue masculinidade com a toxicidade esmagadora de sua feminilidade? Ou ele emergirá do vazio apavorante do buraco escancarado anatômico da fêmea intacto – sua positividade reificada porque, mesmo quando dentro dela, ele conseguiu manter a polaridade do macho e da fêmea mantendo a distinção e a integridade de sua vara dura como aço; sua masculinidade se afirmou porque ele não se fundiu de fato com ela e deste modo não perdendo a si mesmo, ele não se dissolveu nela, ele não se tornou ela nem se tornou como ela, ele não foi englobado por ela.Salomé

Esta viagem perigosa no vácuo feminino deve ser empreendida muitas vezes, compulsivamente, porque a masculinidade não é nada por si mesma; por si mesma ela não existe; ela tem realidade somente sobre e contra, ou em contraste, à negatividade feminina. A masculinidade somente pode ser experimentada, alcançada, reconhecida, e personificada em oposição à feminilidade. Quando os homens colocam sexo, violência, e morte como verdades eróticas elementares, eles pretendem isto – que sexo, ou foder, é o ato que os possibilita experimentar sua própria realidade, ou identidade, ou masculinidade o mais concretamente; que violência, ou sadismo, é o meio pelo qual eles efetivam essa realidade, ou identidade, ou masculinidade; e que a morte, ou a negação, ou o nada, ou a contaminação pela fêmea é o que eles arriscam cada vez que penetram no que eles imaginam ser o vazio do buraco da fêmea.

O que então está atrás da reivindicação que foder é agradável para o macho? Como pode um ato tão saturado com o temor da perda de si mesmo, da perda do pênis, ser agradável? Como pode um ato tão obsessivo, tão repleto de ansiedade, ser caracterizado como agradável?

Primeiramente, é necessário compreender que esta é precisamente a dimensão da fantasia da pornografia. Nos arredores rarefeitos da pornografia, o temor masculino é extirpado do ato de foder, censurado, editado. O sadismo sexual dos machos reproduzido tão vividamente na pornografia é real; as mulheres experimentam-no diariamente. A dominação masculina contra a carne feminina é real; as mulheres experimentam-na diariamente. As práticas brutais as quais os corpos das mulheres são forçados na pornografia são reais; as mulheres sofrem estes abusos em uma escala global, dia após dia, ano após ano, geração após geração. O que não é real, o que é fantasia, é a reivindicação masculina no coração da pornografia que foder é para eles uma experiência extática, o prazer final, uma benção pura, um ato natural e fácil em que não há nenhum terror, nenhum temor, nenhum medo. Nada na realidade documenta esta reivindicação. Se nós examinarmos a chacina das nove milhões de bruxas na Europa que foi abastecida pelo temor masculino da carnalidade feminina, ou examinarmos o fenômeno da violação que expõe a foda como um ato de hostilidade evidente contra a inimiga fêmea, ou investigarmos a impotência que é a incapacidade involuntária de entrar no vácuo feminino, ou rastrearmos o mito da vagina dentata (a vagina cheia de dentes) que é derivado de um medo paralisante da genitália feminina, ou isolarmos os tabus menstruais como uma expressão do terror masculino, nós descobrimos que na vida real o macho está obcecado por seu medo da fêmea, e que este medo é mais vívido a ele no ato de foder.

Em segundo, é necessário compreender que a pornografia é um tipo de propaganda projetada para convencer o macho que ele não precisa estar receoso, que ele não está com medo; para sustentá-lo em pé de modo que ele possa foder; para convencê-lo que foder é uma alegria pura; para obscurecer para ele a realidade de seu próprio terror fornecendo uma fantasia pornográfica de prazer que ele pode aprender como um credo e do qual ele pode conduzir-se para dominar mulheres como um homem real deve. Nós podemos dizer que na pornografia os chicotes, as correntes, e a outra parafernália de brutalidade são cobertores de segurança que dão a mentira à reivindicação pornográfica que foder emerge da masculinidade como a luz do sol. Mas na vida, mesmo o abuso sistematizado e a subjugação global das mulheres aos homens não são suficientes para enfrentar o terror inerente para o macho no ato de foder.

Em terceiro lugar, é necessário compreender que o que é experimentado pelo macho como prazer autêntico é a afirmação de sua própria identidade como um macho. Cada vez que ele sobrevive ao perigo de entrar no vácuo feminino, sua masculinidade é reificada. Ele provou que ele não é ela e que ele é como outros eles. Nenhum prazer na terra iguala-se ao prazer de ter-se provado real, positivo e não negativo, um homem e não uma mulher, um membro idôneo do grupo que possui o domínio sobre todas as outras coisas vivas.

Em quarto, é necessário compreender que sob o sistema sexual da positividade masculina e da negatividade feminina, não há literalmente nada no ato de foder, exceto fricção clitoral acidental, que reconhece ou efetiva o erotismo real da fêmea, mesmo tal como ele tem sobrevivido sob condições escravas. Dentro dos limites do sistema masculino-positivo, este erotismo não existe. Afinal, uma negativa é uma negativa. Foder é inteiramente um ato masculino projetado para afirmar a realidade e o poder do falo, da masculinidade. Para mulheres, o prazer de ser fodida é o prazer masoquista de experimentar a auto-negação. Sob o sistema masculino-positivo, o prazer masoquista da auto-negação é mitificado e mistificado a fim de compelir mulheres a acreditarmos que nós experimentamos realização na abnegação, prazer na dor, validação no auto-sacrifício, feminilidade na submissão à masculinidade. Treinadas desde o nascimento para conformar-nos às exigências desta visão mundial peculiar, punidas severamente quando nós não aprendemos a submissão masoquista suficientemente, encapsuladas inteiramente dentro dos limites do sistema masculino-positivo, poucas mulheres experimentam alguma vez a si mesmas como reais por si mesmas. Em vez disso, as mulheres são reais a si mesmas ao grau que elas identificam-se com e unem elas mesmas à positividade dos machos. Em ser fodida, uma mulher une-se a alguém que é real para si mesmo e experimenta de modo vicário a realidade, tal como ela é, através dele; em ser fodida, uma mulher experimenta o prazer masoquista de sua própria negação que é articulada perversamente como a realização de sua feminilidade.

Agora, eu quero fazer uma distinção crucial – a distinção entre a verdade e a realidade. Para seres humanos, a realidade é social; a realidade é o que quer que as pessoas em um dado momento acreditam que ela seja. Em dizer isso, eu não pretendo sugerir que a realidade seja caprichosa ou acidental. Em minha visão, a realidade é sempre uma função da política em geral e especialmente da política sexual – isto é, ela serve ao poderoso fortificando e justificando seu direito à dominação sobre o sem poder. A realidade é tudo o que as premissas sociais e as instituições culturais são construídas sobre. A realidade é também a violação, o açoite, a foda, a histerectomia, a clitoridectomia, a mastectomia, o enfaixamento de pés, o sapato de salto alto, o espartilho, a maquiagem, o véu, o ataque e a agressão, a degradação e a mutilação em suas manifestações concretas. A realidade é forçada por aqueles a quem ela serve de modo que ela parece ser auto-evidente. A realidade é auto-perpetuada, visto que as instituições culturais e sociais construídas em suas premissas também personificam e reforçam essas premissas. Literatura, religião, psicologia, educação, medicina, a ciência da biologia como compreendida atualmente, as ciências sociais, a família nuclear, o Estado-nação, a polícia, os exércitos, e o direito civil – todos personificam a realidade dada e a reforçam em nós. A realidade dada é, naturalmente, que há dois sexos, macho e fêmea; que estes dois sexos são opostos um ao outro, polares; que o macho é inerentemente positivo e a fêmea é inerentemente negativa; e que os pólos positivo e negativo da existência humana se unem naturalmente em um todo harmonioso.

A verdade, por outro lado, não é de perto tão acessível como a realidade. Em minha visão, a verdade é absoluta uma vez que ela existe e pode ser encontrada. O rádio, por exemplo, sempre existiu; sempre foi verdade que o radio existia; mas o rádio não figurou na noção humana de realidade até que Marie e Pierre Curie o isolaram. Quando o fizeram, a noção humana de realidade teve que mudar de maneiras fundamentais para acomodar a verdade do rádio. Similarmente, a terra sempre foi uma esfera; isto sempre foi verdade; mas até Colombo navegar ao oeste para encontrar o Leste, isto não era real. Nós podemos dizer que a verdade existe, e que é o projeto humano encontrá-la de modo que a realidade possa ser baseada nela.

Eu fiz esta distinção entre a verdade e a realidade a fim de permitir-me dizer algo muito simples: que embora o sistema de polaridade de gênero seja real, ele não é verdadeiro. Não é verdade que há dois sexos que são distintos e opostos, que são polares, que se unem naturalmente e auto-evidentemente em um todo harmonioso. Não é verdade que o macho personifica qualidades e potencialidades humanas positivas e neutras em contraste à fêmea que é fêmea, de acordo com Aristóteles e toda a cultura masculina, “em virtude de certa falta de qualidades.” E uma vez que nós não aceitamos a noção que os homens são positivos e as mulheres são negativas, nós estamos rejeitamos essencialmente a noção que há homens e mulheres sob qualquer condição. Em outras palavras, o sistema baseado neste modelo polar da existência é absolutamente real; mas o modelo ele próprio não é verdadeiro. Nós estamos vivendo em cárcere dentro de uma ilusão perniciosa, uma ilusão na qual toda a realidade como nós a conhecemos é predicada.Patriarcado: cárcere da mulher

Em minha visão, aquelas de nós que somos mulheres dentro deste sistema de realidade nunca estaremos livres até que a ilusão da polaridade sexual esteja destruída e até que o sistema de realidade baseado nela esteja erradicado inteiramente da sociedade humana e da memória humana. Esta é a noção da transformação cultural no coração do feminismo. Esta é a possibilidade revolucionária inerente na luta feminista.

Assim como eu vejo, nossa tarefa revolucionária é destruir a identidade fálica nos homens e a não identidade masoquista nas mulheres – isto é, destruir as realidades polares de homens e mulheres como nós as conhecemos agora de modo que esta divisão da carne humana em dois campos – um campo armado e o outro um campo de concentração – já não seja possível. A identidade fálica é real e deve ser destruída. O masoquismo feminino é real e deve ser destruído. As instituições culturais que personificam e reforçam essas aberrações entrelaçadas – por exemplo, a lei, a arte, a religião, os estados-nações, a família, a tribo, ou comuna baseada no direito do pai – estas instituições são reais e elas devem ser destruídas. Se elas não forem, nós estaremos consignadas como mulheres à inferioridade e subjugação perpétuas.

Eu acredito que a liberdade para as mulheres deve começar no repúdio ao nosso próprio masoquismo. Eu acredito que nós devemos destruir em nós mesmas o impulso ao masoquismo em suas raízes sexuais. Eu acredito que nós devemos estabelecer nossa própria autenticidade, individualmente e entre nós mesmas – experimentá-la, criar a partir dela, e também privar os homens de ocasiões por reificarem a mentira da masculinidade contra nós. Eu acredito que nos livrar do nosso próprio masoquismo profundamente entranhado, que toma tantas formas torturadas, é a prioridade fundamental; é o primeiro golpe mortal que nós podemos desferir contra o domínio masculino sistematizado. De fato, quando nós conseguimos extirpar o masoquismo de nossas próprias personalidades e constituições, nós estaremos cortando a linha de vida masculina ao poder sobre e contra nós, ao valor masculino em contraste à degradação feminina, à identidade masculina colocada sobre a negatividade feminina brutalmente forçada – nós estaremos cortando a linha de vida masculina para a própria masculinidade. Somente quando a masculinidade estiver morta – e ela perecerá quando a feminilidade devastada não mais sustentá-la – somente então nós saberemos o que é liberdade.

por Andrea Dworkin (Our Blood: Prophecies And Discourses On Sexual Politics, 1975, 1976.)

<!–[if gte mso 9]> Normal 0 21 false false false MicrosoftInternetExplorer4 <![endif]–><!–[if gte mso 9]> <![endif]–><!–[endif]–>

[Pronunciada no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Cambridge, 26 de Setembro, 1975.]

E as coisas a melhor saber são antes de tudo princípios e causas. Por através delas e a partir delas todas as outras coisas podem ser sabidas…
–Aristóteles, Metafísica, Livro I

Eu quero falar-lhes hoje à noite sobre algumas realidades e algumas possibilidades. As realidades são brutais e selvagens; as possibilidades podem parecer-lhes, muito francamente, impossíveis. Eu quero lembrar-lhes que havia uma época em que todo o mundo acreditava que a terra era plana. Toda a navegação era baseada nesta crença. Todos os mapas eram delineados às especificações desta crença. Eu chamo-a de uma crença, mas naquele tempo ela era uma realidade, a única realidade imaginável. Era uma realidade porque todo o mundo acreditava que era verdade. Todo o mundo acreditava que era verdade porque parecia ser verdade. A terra parecia plana; não havia nenhuma circunstância em que ela não tinha extremidades distantes nas quais alguém poderia cair; as pessoas admitiam que, em algum lugar, havia a extremidade final além da qual não havia nada. A imaginação era limitada, como ela é na maioria das vezes, por sentidos físicos inerentemente limitados e culturalmente condicionados, e esses sentidos determinaram que a terra fosse plana. Este princípio da realidade não era somente teórico; ele tinha efeitos. Os navios nunca navegavam muito longe em qualquer direção porque ninguém queria navegar fora da extremidade da terra; ninguém queria morrer a terrível morte que resultaria de um ato tão descuidado, estúpido. Nas sociedades em que a navegação era uma atividade principal, o medo de tal destino era vívido e apavorante.

Agora, conforme consta, de algum modo um homem chamado Cristóvão Colombo imaginou que a terra era redonda. Ele imaginou que alguém poderia chegar ao Extremo Oriente navegando para o ocidente. Como ele concebeu esta idéia, nós não sabemos; mas ele a imaginou, e uma vez que a tinha imaginado, ele não poderia esquecê-la. Por muito tempo, até que ele encontrou a Rainha Isabella, ninguém o escutaria ou consideraria sua idéia porque, claramente, ele era um lunático. Se algo era certo, era que a terra era plana. Agora nós olhamos retratos da terra tirados do espaço, e nós não lembramos que uma vez havia uma crença universal que a terra era plana.

Esta história foi repetida muitas vezes. Marie Curie teve a idéia peculiar que havia um elemento não descoberto que fosse ativo, sempre variável, vivo. Todo o pensamento científico era baseado na noção que todos os elementos eram inativos, inertes, estáveis. Ridicularizada, negada um laboratório apropriado pelo estabelecimento científico, condenada à pobreza e à obscuridade, Marie Curie, com seu marido, Pierre, trabalhou implacavelmente para isolar o rádio que era, em primeira instância, uma invenção de sua imaginação. A descoberta do radio destruiu inteiramente a premissa básica em que a física e a química foram construídas. O que tinha sido real até sua descoberta já não era mais real.

Os conhecidos princípios provados-e-verdadeiros da realidade, então, acreditados universalmente e aderidos com ímpeto, são frequentemente formados a partir de profunda ignorância. Nós não sabemos o que ou quanto nós não sabemos. Ignorando nossa ignorância, mesmo que ela tenha sido revelada para nós repetidas vezes, nós acreditamos que a realidade é tudo o que nós sabemos.

Um princípio básico da realidade, acreditado universalmente e aderido com ímpeto, é que há dois sexos, homem e mulher, e que estes sexos não são somente distintos um do outro, mas são opostos. O modelo usado frequentemente para descrever a natureza destes dois sexos é aquele de pólos magnéticos. O sexo masculino é vinculado ao pólo positivo, e o sexo feminino é vinculado ao pólo negativo. Postos em proximidade um com o outro, os campos magnéticos destes dois sexos são admitidos a interagir, trancando os dois pólos juntos em um todo perfeito. Desnecessário dizer, dois pólos semelhantes postos em proximidade são admitidos a repelirem-se.

O sexo masculino, de acordo com sua designação positiva, tem qualidades positivas; e o sexo feminino, de acordo com sua designação negativa, não possui qualquer das qualidades atribuídas ao sexo masculino. Por exemplo, de acordo com este modelo, os homens são ativos, fortes e corajosos; e as mulheres são passivas, fracas, e medrosas. Ou seja, o que os homens são, as mulheres não são; o que os homens podem fazer as mulheres não podem; todas as capacidades que os homens têm as mulheres não têm. O homem é o positivo e a mulher é seu negativo.

Apologistas deste modelo reivindicam que ele é moral porque é inerentemente igualitário. Cada pólo é admitido ter a dignidade de sua própria identidade separada; cada pólo é necessário para um todo harmonioso. Esta noção, naturalmente, é enraizada na convicção que as reivindicações feitas a respeito das características de cada sexo são verdadeiras, que a essência de cada sexo está corretamente descrita. Em outras palavras, dizer que o homem é o positivo e a mulher é o negativo é como dizer que a areia é seca e a água é molhada – a característica que mais descreve a própria coisa é nomeada de uma maneira verdadeira e nenhum julgamento no valor destas características de diferenciação é subentendido. Simone de Beauvoir expõe a falácia desta doutrina de “separado, mas igual” no prefácio de O SEGUNDO SEXO:

Na realidade a relação dos dois sexos não é . . . como aquela de dois pólos elétricos, porque o homem representa o positivo e o neutro, como é indicado pelo uso comum de homem para designar seres humanos em geral; enquanto que a mulher representa somente o negativo, definida por critérios restritivos, sem reciprocidade…. “A fêmea é uma fêmea em virtude de certa falta de qualidades,” disse Aristóteles; “nós devemos considerar a natureza feminina como afligida por uma falha natural.” E São Tomás pelo que lhe diz respeito pronunciou que a mulher é “um homem imperfeito,” um ser todo “incidental” . . .

Assim, a humanidade é masculina e o homem define a mulher não em si mesma, mas relativa a ele; ela não é considerada um ser autônomo.

Esta visão doente da mulher como o negativo do homem, “fêmea em virtude de certa falta de qualidades,” contamina toda a cultura. É o câncer no intestino de cada sistema político e econômico, de cada instituição social. É a podridão que estraga todos os relacionamentos humanos, infesta toda a realidade psicológica humana, e destrói a verdadeira fibra da identidade humana.

Esta visão patológica da negatividade feminina tem sido forçada em nossa carne por milhares de anos. A mutilação selvagem do corpo feminino, empreendida para distinguir-nos absolutamente dos homens, tem ocorrido em uma escala maciça. Por exemplo, na China, por mil anos, os pés das mulheres foram reduzidos a tocos através da amarração de pés. Quando uma garota tinha sete ou oito anos, seus pés eram lavados em alume, uma substância química que causa encolhimento. Então, todos os dedos dos pés exceto os dedões eram dobrados nas solas de seus pés e enfaixados tão firmemente quanto possível. Este procedimento era repetido várias vezes por aproximadamente três anos. A menina, em agonia, era forçada a andar com os próprios pés. Calos duros se formavam; as unhas dos dedos dos pés cresciam dentro da pele; os pés se enchiam de pus e sangravam; a circulação era parada virtualmente; frequentemente os dedões caiam. O pé ideal era três polegadas de carne fedorenta, apodrecida. Os homens eram positivos e as mulheres eram negativas porque os homens podiam andar e as mulheres não podiam. Os homens eram fortes e as mulheres eram fracas porque os homens podiam andar e as mulheres não podiam. Os homens eram independentes e as mulheres eram dependentes porque os homens podiam andar e as mulheres não podiam. Os homens eram viris porque as mulheres foram aleijadas.

Esta atrocidade cometida contra as mulheres Chinesas é somente um exemplo do sadismo sistemático expresso nos corpos das mulheres para tornar-nos opostas aos, e os negativos dos, homens. Nós fomos, e somos, chicoteadas, açoitadas, e agredidas; nós fomos, e somos, encaixadas em roupas projetadas para distorcer nossos corpos, para fazer os movimentos e a respiração dolorosos e difíceis; nós fomos, e somos, transformadas em ornamentos, tão privadas de presença física que nós não podemos correr ou saltar ou escalar ou mesmo andar com uma postura natural; nós fomos, e somos, veladas, nossos rostos cobertos por camadas de panos sufocantes ou por camadas de maquiagem, de modo que até a posse de nossos próprios rostos nos é negada; nós fomos, e somos, forçadas a remover os pêlos de nossas axilas, pernas, sobrancelhas, e frequentemente mesmo das nossas regiões pubianas, de modo que os homens possam afirmar, sem contradição, a positividade de sua própria virilidade peluda. Nós fomos, e somos, esterilizadas contra nossa vontade; nossos ventres são removidos por nenhuma razão médica; nossos clitóris são cortados; nossos peitos e toda a musculatura de nossos tórax são removidos com abandono entusiástico. Este último procedimento, mastectomia radical, tem oitenta anos de idade. Eu peço que você considere o desenvolvimento de armamentos nos últimos oitenta anos, bombas nucleares, gases venenosos, raios laser, bombas de ruídos, e semelhantes, e questione o desenvolvimento da tecnologia em relação às mulheres. Por que as mulheres ainda são mutiladas tão promiscuamente na cirurgia de mama; porque esta selvagem forma de mutilação, mastectomia radical, tem prosperado se não para intensificar a negatividade das mulheres em relação aos homens? Estas formas de mutilação física são as marcas que nos designam como fêmeas negando nossos verdadeiros corpos, destruindo-os.

No mundo grotesco feito por homens, o emblema físico primário da negatividade feminina é gravidez. As mulheres têm a capacidade de parir; os homens não têm. Mas desde que os homens são positivos e as mulheres são negativas, a incapacidade de parir é designada como uma característica positiva, e a capacidade de parir é designada como uma característica negativa. Já que as mulheres são mais facilmente distinguidas dos homens em virtude desta capacidade única, e já que a negatividade das mulheres é sempre estabelecida em oposição à positividade dos homens, a capacidade reprodutiva da fêmea é primeiro usada para fixar, em seguida para confirmar, seu status negativo ou inferior. A gravidez se torna uma marca física, um sinal que designa a grávida como autenticamente fêmea. A gravidez, peculiarmente, torna-se a forma e a substância da negatividade do sexo feminino.

Novamente, considere a tecnologia em relação às mulheres. Enquanto os homens andam na lua e um satélite artificial aproxima-se de Marte para uma aterrissagem, a tecnologia de contracepção permanece criminosamente inadequada. Os dois meios mais eficazes de contracepção são a pílula e o D.I.U. A pílula é venenosa e o D.I.U. é sádico. Se uma mulher quiser impedir a concepção, ela deve ou falhar consequentemente porque usa um método ineficiente de contracepção, neste caso ela se arrisca a morte com a gravidez; ou ela deve se arriscar a uma doença terrível com a pílula, ou sofrer a agonia da dor com o D.I.U. – e, naturalmente, com qualquer um destes métodos, o risco de morte é muito real também. Agora que as técnicas de aborto foram desenvolvidas que são seguras e fáceis, as mulheres são negadas resolutamente o acesso livre a elas. Os homens exigem que as mulheres continuem a ficar grávidas para personificarem a negatividade feminina, confirmando assim a positividade masculina.

Enquanto as agressões físicas contra a vida feminina são inacreditáveis, os ultrajes cometidos contra nossas faculdades intelectuais e criativas não têm sido menos sádicos. Consignadas a uma vida intelectual e criativa negativa, para afirmar estas capacidades nos homens, as mulheres são consideradas estúpidas; feminilidade é aproximadamente sinônimo de estupidez. Nós somos femininas à medida que nossas faculdades mentais são aniquiladas ou repudiadas. Para reforçar esta dimensão da negatividade feminina, nós somos negadas sistematicamente o acesso ao ensino convencional, e cada afirmação de inteligência natural é punida até que nós não ousemos confiar em nossas percepções, até que nós não ousemos honrar nossos impulsos criativos, até que nós não ousemos exercitar nossas faculdades críticas, até que nós não ousemos cultivar nossas imaginações, até que nós não ousemos respeitar nossa própria acuidade mental ou moral. Qualquer trabalho criativo ou intelectual pelo qual nós somos responsáveis é trivializado, ignorado, ou ridicularizado, de modo que mesmo aquelas poucas cujas mentes não poderiam ser degradadas são levadas ao suicídio ou à insanidade, ou de novo ao casamento e à gravidez. Há muito poucas exceções a esta regra inexorável.

A manifestação literária mais vívida desta patologia da negação feminina é encontrada na pornografia. A literatura é sempre a expressão mais eloquente de valores culturais; e a pornografia articula a destilação mais pura desses valores. Na pornografia literária, onde o sangue feminino pode fluir sem a limitação real da resistência biológica, o etos desta cultura assassina masculino-positiva é revelado em sua forma básica: o sadismo masculino se alimenta no masoquismo feminino; o domínio masculino é nutrido pela submissão feminina.

Na pornografia, o sadismo é o meio pelo qual homens estabelecem seu domínio. O sadismo é o exercício autêntico de poder que confirma a masculinidade; e a primeira característica da masculinidade é que sua existência é baseada na negação da fêmea – a masculinidade pode ser certificada somente pela abjeta degradação feminina, uma degradação nunca abjeta o bastante até que o corpo e a vontade da vítima tenham sido destruídos.

Na pornografia literária, o coração das trevas pulsante no centro do sistema masculino-positivo é exposto em toda sua nudez horripilante. Esse coração das trevas é este – que o sadismo sexual efetiva a identidade masculina. As mulheres são torturadas, chicoteadas, e acorrentadas; as mulheres são amarradas e amordaçadas, marcadas e queimadas, cortadas com facas e fios; as mulheres são urinadas e defecadas; agulhas em brasa são cravadas nos peitos, ossos são quebrados, retos são rasgados, bocas são devastadas, bocetas são brutalmente caceteadas por pênis após pênis, vibrador após vibrador – e tudo isto para estabelecer no macho um sentido viável de seu próprio valor.

Tipicamente na pornografia, algumas destas crueldades horríveis ocorrem em um contexto público. Um homem não dominou completamente uma mulher – ele não é completamente um homem – até que a degradação dela seja publicamente testemunhada e apreciada. Ou seja, como um homem estabelece o domínio ele deve também estabelecer publicamente a posse. A posse é provada quando um homem pode humilhar uma mulher na frente de, e para o prazer de, seus companheiros, e ela ainda permanece leal a ele. A posse é estabelecida mais adiante quando um homem pode emprestar uma mulher como um objeto carnal, ou entregá-la como um presente para um outro homem ou para outros homens. Estas transações fazem a posse dele uma matéria de registro público e aumentam sua estima aos olhos de outros homens. Estas transações provam que ele reivindicou não somente a autoridade absoluta sobre o corpo dela, mas que ele dominou inteiramente a vontade dela. O que pode ter começado para a mulher como submissão a um homem particular por “amor” a ele – e o que estava nesse sentido congruente com sua própria integridade tal como ela poderia reconhecê-la – deve terminar na aniquilação dessa mesma reivindicação à individualidade. A individualidade da posse – “Eu sou a pessoa que possui” – é reivindicada pelo homem; mas nada deve ser deixado para a mulher ou na mulher em que ela poderia basear qualquer reivindicação à dignidade pessoal, mesmo a dignidade miserável de crer, “Eu sou a propriedade exclusiva do homem que me degrada.” Da mesma maneira, e pelas mesmas razões, ela é forçada a assistir ao homem que a possui exercendo o sadismo sexual dele contra outras mulheres. Isto a rouba desse grão interno de dignidade que vem da crença, “Eu sou a única,” ou “Eu sou percebida e minha identidade singular é verificada quando ele me degrada,” ou “Eu sou distinta de outras mulheres porque este homem me escolheu.”

A pornografia do sadismo masculino contém quase sempre uma visão idealizada, ou irreal, do companheirismo masculino. O conceito masculino utópico que é a premissa da pornografia é este – já que a masculinidade é estabelecida e confirmada contra os corpos brutalizados das mulheres, os homens não precisam agredir uns aos outros; em outras palavras, as mulheres absorvem a agressão masculina de modo que os homens fiquem a salvo disto. Cada homem, conhecendo seu próprio impulso enraizado a selvageria, pressupõe este mesmo impulso em outros homens e procura proteger-se dele. Os rituais de sadismo masculino contra os corpos das mulheres são os meios pelo qual a agressão masculina é socializada de modo que um homem possa associar-se com outros homens sem o perigo iminente de agressão masculina contra sua própria pessoa. O projeto erótico comum de destruir mulheres torna possível aos homens se unirem em uma irmandade; este projeto é a única base firme e confiável para cooperação entre machos e todo laço masculino é baseado nisto.

Esta visão idealizada do companheirismo masculino expõe o caráter essencialmente homossexual da sociedade masculina. Os homens usam os corpos das mulheres para formar alianças ou ligações uns com os outros. Os homens usam os corpos das mulheres para alcançar o poder reconhecível que certificará a identidade masculina aos olhos de outros homens. Os homens usam os corpos das mulheres para permiti-los se engajarem em transações civis e pacíficas uns com os outros. Nós pensamos que nós vivemos em uma sociedade heterossexual porque a maioria dos homens está fixada nas mulheres como objetos sexuais; mas, de fato, nós vivemos em uma sociedade homossexual porque todas as transações críveis de poder, autoridade, e autenticidade ocorrem entre homens; todas as transações baseadas em igualdade e individualidade ocorrem entre homens. Os homens são reais; portanto, todo relacionamento real acontece entre homens; toda comunicação real acontece entre homens; toda reciprocidade real acontece entre homens; toda mutualidade real acontece entre homens. A heterossexualidade, que pode ser definida como o domínio sexual dos homens sobre mulheres, é como o fruto do carvalho – dele cresce o poderoso carvalho da sociedade homossexual masculina, uma sociedade de homens, por homens, e para homens, uma sociedade na qual a positividade da comunidade masculina é realizada através da negação da fêmea, através da aniquilação da carne e da vontade das mulheres.

Na pornografia literária, que é uma destilação da vida como nós a conhecemos, as mulheres são buracos abertos, fendas fogosas, tubos de foda, e semelhantes. O corpo feminino é considerado a constituir-se de três buracos vazios, todos os quais foram expressamente projetados a serem preenchidos com positividade masculina ereta.

A própria força-vital feminina é caracterizada como negativa: nós somos definidas como inerentemente masoquistas; isto é, nós somos impulsionadas para a dor e o abuso, para a autodestruição, para a aniquilação – e este impulso para nossa própria negação é precisamente o que nos identifica como mulheres. Em outras palavras, nós nascemos para que nós possamos ser destruídas. O masoquismo sexual efetiva a negatividade feminina, exatamente como o sadismo sexual efetiva a positividade masculina. A feminilidade erótica de uma mulher é medida pelo grau a que ela precisa ser ferida, precisa ser possuída, precisa ser abusada, precisa se submeter, precisa ser açoitada, precisa ser humilhada, precisa ser degradada. Qualquer mulher que resistir a expressar estas assim-chamadas necessidades, ou qualquer mulher que se rebela contra os valores inerentes nestas necessidades, ou qualquer mulher que se recusa a aprovar ou participar em sua própria destruição é caracterizada como uma diferente, uma que nega sua feminilidade, uma bruxa, uma cadela, etc. Tipicamente, tais diferentes são trazidas de volta para o rebanho feminino pelo estupro, estupro em grupo, ou alguma forma de sujeição. A teoria é que uma vez que tais mulheres tenham provado a doçura intoxicante da submissão elas irão, como lemingues, correr para sua própria destruição.

O amor romântico, tanto na pornografia como na vida, é a celebração mítica da negação feminina. Para uma mulher, o amor é definido como sua boa vontade para submeter-se a sua própria aniquilação. Como diz o ditado, as mulheres são feitas para o amor – isto é, submissão. O amor, ou a submissão, deve ser a substância e o propósito da vida de uma mulher. Para a fêmea, a capacidade de amar é exatamente sinônima à capacidade de suportar o abuso e o apetite por ele. Para a mulher, a prova de amor é que ela está disposta a ser destruída por aquele que ela ama, por causa dele. Para a mulher, o amor é sempre o auto-sacrifício, o sacrifício de sua identidade, vontade, e integridade corporal, a fim de satisfazer e redimir a masculinidade de seu amado.

Na pornografia, nós vemos o amor feminino cru, seu esqueleto erótico exposto; nós quase podemos tocar nos ossos de nosso cadáver. O amor é o impulso erótico masoquista; o amor é a paixão frenética que compele uma mulher a se submeter a uma vida degradante de escravidão; o amor é o devorador impulso sexual para a degradação e o abuso. A mulher a si mesma literalmente ao homem; ele literalmente a toma e a possui.

A transação principal que expressa esta submissão feminina e esta possessão masculina, na pornografia assim como na vida, é o ato de foder. Foder é a expressão física básica da positividade masculina e da negatividade feminina. O relacionamento do sadista ao masoquista não se origina no ato de foder; mais propriamente, é expresso e renovado nele.

Para o macho, foder é um ato compulsório, na pornografia e na vida real. Mas na vida, e não na pornografia, é um ato perigoso, cheio de temor. Aquele orgão santificado da positividade masculina, o falo, penetra no vácuo feminino. Durante a penetração, todo o ser do macho é o seu pênis – ele e sua vontade de dominação são inteiramente um; o pênis ereto é a sua identidade; toda sensação está localizada no pênis e de fato o resto de seu corpo é insensível, morto. Durante a penetração, o verdadeiro ser do macho é uma vez arriscado e afirmado. O vácuo da fêmea o engolirá, o consumirá, tragará e destruirá seu pênis, seu eu inteiro? O vácuo da fêmea poluirá sua positividade viril com sua negatividade nociva? O vácuo da fêmea contaminará sua tênue masculinidade com a toxicidade opressiva de sua feminilidade? Ou ele emergirá do vazio apavorante do buraco aberto anatômico da fêmea intacto – sua positividade reificada porque, mesmo quando dentro dela, ele controlou para manter a polaridade do macho e da fêmea mantendo a distinção e a integridade de sua vara dura como aço; sua masculinidade se afirmou porque ele não se fundiu de fato com ela e deste modo fazendo perder a si mesmo, ele não se dissolveu nela, ele não se tornou ela nem se tornou como ela, ele não foi incluído por ela.

Esta viagem perigosa no vácuo feminino deve ser empreendida muitas vezes, compulsoriamente, porque a masculinidade não é nada por si mesma; por si mesma ela não existe; ela tem realidade somente contra, ou em contraste, à negatividade feminina. A masculinidade somente pode ser experimentada, alcançada, reconhecida, e personificada em oposição à feminilidade. Quando os homens colocam sexo, violência, e morte como verdades eróticas elementares, eles pretendem isto – que sexo, ou foder, é o ato que os possibilita experimentar sua própria realidade, ou identidade, ou masculinidade o mais concretamente; que violência, ou sadismo, é o meio pelo qual ele efetiva essa realidade, ou identidade, ou masculinidade; e que a morte, ou a negação, ou o nada, ou a contaminação pela fêmea é o que eles arriscam cada vez que penetram no que eles imaginam ser o vazio do buraco da fêmea.

O que então está atrás da reivindicação que foder é agradável para o macho? Como pode um ato tão saturado com o temor da perda de si mesmo, da perda do pênis, ser agradável? Como pode um ato tão obsessivo, tão repleto de ansiedade, ser caracterizado como agradável?

Primeiramente, é necessário compreender que esta é precisamente a dimensão da fantasia da pornografia. Nos arredores rarefeitos da pornografia, o temor masculino é extirpado do ato de foder, censurado, editado. O sadismo sexual dos machos reproduzido tão vivamente na pornografia é real; as mulheres experimentam-no diariamente. A dominação masculina contra a carne feminina é real; as mulheres experimentam-na diariamente. As práticas brutais as quais os corpos das mulheres são forçados na pornografia são reais; as mulheres sofrem estes abusos em uma escala global, dia após dia, ano após ano, geração após geração. O que não é real, o que é fantasia, é a reivindicação masculina no coração da pornografia que foder é para eles uma experiência extática, o prazer final, uma benção pura, um ato natural e fácil em que não há nenhum terror, nenhum temor, nenhum medo. Nada na realidade documenta esta reivindicação. Se nós examinarmos a chacina das nove milhões de bruxas na Europa que foi abastecida pelo temor masculino da carnalidade feminina, ou examinarmos o fenômeno da violação que expõe a foda como um ato de hostilidade evidente contra a inimiga fêmea, ou investigarmos a impotência que é a inabilidade involuntária de entrar no vácuo feminino, ou seguirmos o mito da vagina dentata (a vagina cheia de dentes) que é derivado de um medo paralisante da genitália feminina, ou isolarmos os tabus menstruais como uma expressão do terror masculino, nós descobrimos que o macho está obcecado por seu medo da fêmea, e que este medo é mais vívido a ele no ato de foder.

Em segundo, é necessário compreender que a pornografia é um tipo de propaganda projetada para convencer o macho que ele não precisa estar receoso, que ele não está com medo; para segurá-lo em pé de modo que ele possa foder; para convencê-lo que foder é uma alegria genuína; para obscurecer para ele a realidade de seu próprio terror fornecendo uma fantasia pornográfica de prazer que ele pode aprender como um credo e do qual ele pode conduzir-se para dominar mulheres como um homem real deve. Nós podemos dizer que na pornografia os chicotes, as correntes, e a outra parafernália de brutalidade são cobertores de segurança que dão a mentira à reivindicação pornográfica que foder emerge da masculinidade como luz do sol. Mas na vida, mesmo o abuso sistematizado e a subjugação global das mulheres aos homens não são suficientes para enfrentar o terror inerente para o macho no ato de foder.

Em terceiro lugar, é necessário compreender que o que é experimentado pelo macho como prazer autêntico é a afirmação de sua própria identidade como um macho. Cada vez que ele sobrevive ao perigo de entrar no vácuo feminino, sua masculinidade é reificada. Ele provou que ele não é ela e que ele é como outros eles. Nenhum prazer na terra iguala-se ao prazer de ter-se provado real, positivo e não negativo, um homem e não uma mulher, um membro genuíno do grupo que possui o domínio sobre todas as outras coisas vivas.

Em quarto, é necessário compreender que sob o sistema sexual da positividade masculina e negatividade feminina, não há literalmente nada no ato de foder, exceto fricção clitoral acidental, que reconhece ou efetiva o erotismo real da fêmea, mesmo tal como ele tem sobrevivido sob condições escravas. Dentro dos limites do sistema masculino-positivo, este erotismo não existe. Afinal, uma negativa é uma negativa. Foder é inteiramente um ato masculino projetado para afirmar a realidade e o poder do falo, da masculinidade. Para mulheres, o prazer de ser fodida é o prazer masoquista de experimentar a auto-negação. Sob o sistema masculino-positivo, o prazer masoquista da auto-negação é mitificado e mistificado a fim de compelir mulheres a acreditarmos que nós experimentamos realização na abnegação, prazer na dor, validação no auto-sacrifício, feminilidade na submissão à masculinidade. Treinadas desde o nascimento para conformar-nos às exigências desta visão mundial peculiar, punidas severamente quando nós não aprendemos a submissão masoquista satisfatoriamente, encapsuladas inteiramente dentro dos limites do sistema masculino-positivo, poucas mulheres experimentam alguma vez a si mesmas como reais por si mesmas. Em vez disso, as mulheres são reais a si mesmas ao grau que elas identificam-se com e unem elas mesmas à positividade dos machos. Em ser fodida, uma mulher une-se a alguém que é real em si mesmo e experimenta de modo vicário a realidade, tal como ela é, através dele; em ser fodida, uma mulher experimenta o prazer masoquista de sua própria negação que é articulada perversamente como a realização de sua feminilidade.

Agora, eu quero fazer uma distinção crucial – a distinção entre a verdade e a realidade. Para seres humanos, a realidade é social; a realidade é o que quer que as pessoas em um dado momento acreditam que ela seja. Em dizer isso, eu não pretendo sugerir que a realidade seja caprichosa ou acidental. Em minha visão, a realidade é sempre uma função da política em geral e especialmente da política sexual – isto é, ela serve ao poderoso fortificando e justificando seu direito à dominação sobre o impotente. A realidade é tudo o que as premissas sociais e as instituições culturais são construídas sobre. A realidade é também a violação, o açoite, a foda, a histerectomia, a clitoridectomia, a mastectomia, a amarração de pés, o sapato de salto alto, o espartilho, a maquiagem, o véu, a agressão, a degradação e mutilação em suas manifestações concretas. A realidade é forçada por aqueles a quem ela serve de modo que ela parece ser auto-evidente. A realidade é auto-perpetuada, visto que as instituições culturais e sociais construídas em suas premissas também personificam e reforçam essas premissas. Literatura, religião, psicologia, educação, medicina, a ciência da biologia como compreendida atualmente, as ciências sociais, a família nuclear, o Estado-nação, a polícia, exércitos, e o direito civil – todos personificam a realidade dada e a reforçam em nós. A realidade dada é, naturalmente, que há dois sexos, macho e fêmea; que estes dois sexos são opostos um ao outro, polares; que o macho é inerentemente positivo e a fêmea é inerentemente negativa; e que os pólos positivo e negativo da existência humana se unem naturalmente em um todo harmonioso.

A verdade, por outro lado, não é de perto tão acessível como a realidade. Em minha visão, a verdade é absoluta já que ela existe e pode ser descoberta. O rádio, por exemplo, sempre existiu; sempre foi verdade que o radio existia; mas o rádio não figurou na noção humana da realidade até que Marie e Pierre Curie o isolaram. Quando o fizeram, a noção humana da realidade teve que mudar de maneiras fundamentais para acomodar a verdade do rádio. Similarmente, a terra sempre foi uma esfera; isto sempre foi verdade; mas até Colombo navegar ao oeste para encontrar o Leste, isto não era real. Nós podemos dizer que a verdade existe, e que é o projeto humano encontrá-la de modo que a realidade possa ser baseada nela.

Eu fiz esta distinção entre a verdade e a realidade a fim de permitir-me dizer algo muito simples: que embora o sistema de polaridade de gênero seja real, ele não é verdadeiro. Não é verdade que há dois sexos que são distintos e opostos, que são polares, que se unem naturalmente e auto-evidentemente em um todo harmonioso. Não é verdade que o macho personifica qualidades e potencialidades humanas positivas e neutras em contraste à fêmea que é fêmea, de acordo com Aristóteles e toda a cultura masculina, “em virtude de certa falta de qualidades.” E uma vez que nós não aceitamos a noção que os homens são positivos e as mulheres são negativas, nós estamos rejeitamos essencialmente a noção que há homens e mulheres sob qualquer condição. Em outras palavras, o sistema baseado neste modelo polar da existência é absolutamente real; mas o modelo ele próprio não é verdadeiro. Nós estamos vivendo em cárcere dentro de uma ilusão perniciosa, uma ilusão na qual toda a realidade como nós a conhecemos é predicada.

Em minha visão, aquelas de nós que somos mulheres dentro deste sistema de realidade nunca estaremos livres até que a ilusão da polaridade sexual esteja destruída e até que o sistema de realidade baseado nela esteja erradicado inteiramente da sociedade humana e da memória humana. Esta é a noção da transformação cultural no coração do feminismo. Esta é a possibilidade revolucionária inerente no trabalho feminista.

Assim como eu vejo, nossa tarefa revolucionária é destruir a identidade fálica nos homens e a não identidade masoquista nas mulheres – isto é, destruir as realidades polares de homens e mulheres como nós as conhecemos agora de modo que esta divisão da carne humana em dois campos – um campo armado e o outro um campo de concentração – já não seja possível. A identidade fálica é real e deve ser destruída. O masoquismo feminino é real e deve ser destruído. As instituições culturais que personificam e reforçam essas aberrações entrelaçadas – por exemplo, a lei, arte, religião, estados-nações, a família, tribo, ou comuna baseada no direito do pai – estas instituições são reais e elas devem ser destruídas. Se elas não são, nós estaremos consignadas como mulheres à inferioridade e subjugação perpétuas.

Eu acredito que a liberdade para as mulheres deve começar no repúdio de nosso próprio masoquismo. Eu acredito que nós devemos destruir em nós mesmas o impulso ao masoquismo em suas raízes sexuais. Eu acredito que nós devemos estabelecer nossa própria autenticidade, individualmente e entre nós mesmas – experimentá-la, criar a partir dela, e também privar os homens de ocasiões por reificarem a mentira da masculinidade contra nós. Eu acredito que nos livrar do nosso próprio masoquismo profundamente entranhado, que toma tantas formas torturadas, é a prioridade fundamental; é o primeiro golpe mortal que nós podemos desferir contra o domínio masculino sistematizado. De fato, quando nós sucedemos em extirpar o masoquismo de nossas próprias personalidades e constituições, nós estaremos cortando a linha de vida ao poder contra nós, ao valor masculino em contraste à degradação feminina, à identidade masculina colocada sobre a negatividade feminina brutalmente forçada – nós estaremos cortando a linha de vida masculina para a própria masculinidade. Somente quando a masculinidade estiver morta – e ela perecerá quando a feminilidade destruída não mais sustentá-la – somente então nós saberemos o que é liberdade.

por Andrea Dworkin (Our Blood: Prophecies And Discourses On Sexual Politics, 1975, 1976.)

Anúncios

Uma resposta to “A Causa Raiz”

  1. Maria de Lourdes 24/05/2011 às 00:29 #

    E depois de tudo isso,os homens esperam que nós os amemos…não nós é permitido odiá-los nunca…e por um acaso,o patriarcado é uma prova de amor por nós? O texto mostra nitidamente que não.

    Não faz sentido feministas terem medo de serem taxadas de odiadoras de homens,eles já nos odeiam e nos destroem,não temos nada a perder.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: